“É o setor produtivo quem diz o que devemos fazer”, afirma Carlos Da Costa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec-ME), Carlos Alexandre Da Costa, também recebeu do presidente Emerson Destro uma placa em reconhecimento por sua atuação em prol da melhoria do ambiente de negócios no país e, principalmente, pela condução das ações para mitigar os problemas econômicos das empresas impactadas pela pandemia do novo coronavírus.

Em sua fala após receber a homenagem, Carlos Da Costa destacou que o trabalho da Sepec foi orientado, desde o início, pelo diálogo e pela transparência e, principalmente, pelo senso de urgência, privilegiando a participação dos setores produtivos, que é quem realmente conhece as dificuldades e as necessidades de cada atividade econômica.

“Nós, setor público, não sabemos nem uma fração do que a sociedade sabe. Neste governo é o setor produtivo que diz para nós o que devemos fazer. E isso muda tudo”, diz o secretário, frisando a importância da participação dos setores produtivos, principalmente por meio de suas entidades setoriais.

Ele falou também das medidas tomadas logo no início da pandemia, quando, segundo pesquisa realizada pela Sepec, apenas 5% dos empresários acreditavam que o vírus traria alguma consequência econômica.

Nesse momento, em contato com mais de 600 entidades, entre elas a ABAD, a equipe formada por esse braço do ministério da economia não apenas monitorou o desempenho desses setores, como mapeou suas necessidades, sendo cerca de 3 mil contribuições, sendo 1/3 delas só do setor de comércio e serviços.

Acionando várias áreas do governo federal e o Congresso Nacional, a Sepec conseguiu, em um prazo recorde de 6 meses, implementar de forma parcial ou integral mais de 1.400 solicitações do setor produtivo, o que foi fundamental para que as empresas sobrevivessem à pandemia como medidas de crédito emergencial, prorrogação e parcelamento de dívidas tributárias, flexibilização das regras trabalhistas, medidas regulatórias e medidas para evitar fechamento de pontos de vendas.

Redução do Custo Brasil

Carlos Da Costa ainda destacou o trabalho que continua a ser feito para a redução do Custo Brasil, por meio da Subsecretaria de Ambiente de Negócios e Competitividade, a cargo de Jorge Luiz de Lima, e incentivou os empresários e as entidades a continuar participando das iniciativas com ideias e informações, inclusive junto ao Legislativo, para que as melhores decisões possam ser tomadas.

VEJA reportagem sobre o projeto Custo Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Encontro de Valor 2020

POLÍTICA DE Privacidade: Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.