ONU prevê crescimento de 1,7% para o PIB brasileiro em 2020

  • Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A recuperação da economia brasileira deve ganhar fôlego este ano, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Em relatório com perspectivas para a economia global, divulgado nesta quinta-feira (16), a entidade prevê expansão de 1,7% para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020, e alta de 1% estimada para 2019.

 

Mesmo contando com melhora, a previsão é mais pessimista do que o consenso de mercado. De acordo com o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, a mediana de cerca de cem analistas aponta que o PIB brasileiro vai crescer 2,3% este ano.

 

Segundo o documento da ONU, a aceleração do nível de atividade no Brasil deve vir na esteira da retomada da confiança dos empresários. Na América do Sul, no entanto, não há perspectiva de reação consistente, diz o órgão, uma vez que, em muitos países, entraves estruturais ao crescimento foram agravados pela desaceleração do comércio global, pela queda das cotações de commodities e, também, pela instabilidade política.

 

 

IBC-Br

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) teve alta de 0,18% em novembro, na comparação dessazonalizada com outubro, conforme divulgado nesta quinta-feira pela autoridade monetária. Em outubro, o resultado havia sido positivo em 0,08% (dado revisado de alta de 0,17%). há 10 minutos Foto: Pixabay Brasil A expansão de novembro ficou acima da mediana das projeções dos economistas colhidas pelo Valor Data, que era de queda de 0,1%, com intervalo das estimativas de -0,40% a +0,20%.

 

Nos 12 meses encerrados em novembro, o crescimento é de 0,9% na série sem ajuste. Devido às revisões constantes do indicador, o IBC-Br medido em 12 meses é mais estável do que a medição mensal, assim como o próprio Produto Interno Bruto (PIB).

 

O IBC-Br tem metodologia de cálculo distinta das Contas Nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e que resultam no PIB oficial a cada trimestre. O indicador do BC, de frequência mensal, permite acompanhamento mais frequente da evolução da atividade econômica, enquanto o PIB descreve um quadro mais abrangente da economia.

 

IPC-S

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) registrou aumento de 0,48%, na segunda medição de janeiro, depois de subir 0,57% na leitura anterior, mostrou a Fundação Getúlio Vargas (FGV).  Na apuração mais recente, das oito classes de despesa componentes do índice, a maior contribuição partiu de Alimentação, que aumentou 1,61%. Apesar de ter o avanço mais marcado do período, a taxa foi menor do que aquela verificada na primeira prévia de janeiro, de 2,30% de elevação. O indicador foi calculado com base nos preços coletados entre 16 de dezembro e 15 de janeiro comparados aos de 16 de novembro a 15 de dezembro.

 

IGP-10

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 1,07% em janeiro de 2020, depois de avançar 1,69% um mês antes. Com esse resultado, o índice acumula alta de 7,81% em 12 meses. No primeiro mês do calendário anterior, o índice havia registrado queda de 0,26%.

 

Fonte: Valor online

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *