Lira: Congresso deve votar reformas tributária e administrativa em 2021

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou em entrevista à Rádio Jovem Pan, na manhã de segunda-feira (26), que a reforma tributária poderá ser votada em partes, para facilitar sua tramitação e aprovação no Congresso. Lira já havia anunciado que o relatório do texto será apresentado na próxima segunda-feira (3).

Na avaliação de Lira, é necessário simplificar o sistema, torná-lo mais justo e garantir mais segurança jurídica para o investidor. “Vamos tentar buscar o que o governo prioriza e quais sãos os pontos convergentes para começar a discutir a reforma tributária por partes. Comer um boi inteiro, a gente não consegue, mas podemos adiantar uma reforma com mais simplicidade, menos burocracia, com um ajuste fiscal mais justo e quem ganha mais, pague mais; e quem ganha menos, pague menos, com um sistema mais justo e com mais segurança jurídico e é isso que tem faltado ao Brasil”, afirmou.

Ainda na segunda-feira, Lira também disse em sua conta do Twitter que a Câmara dos Deputados e o Senado têm o compromisso de votar ainda neste ano as reformas tributária e administrativa. “Temos o compromisso das duas Casas de votar este ano as duas reformas. Procurarei o ministro Paulo Guedes para falar sobre a reforma tributária”, acrescentou.

A aprovação ainda em 2021 das reformas tributária e administrativa também é defendida pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Para o presidente da Câmara, a reforma administrativa pode tramitar mais rápido do que a tributária. Segundo Lira, a proposta deve ser aprovada na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania em 15 dias e seguirá para uma comissão especial para análise do mérito. Ele disse ainda que já há relator e presidente escolhidos, mas não informou os nomes.

Sindiatacadista

Os empresários do setor atacadista do Distrito Federal receberam com otimismo a declaração do presidente da Câmara dos Deputados. Para o presidente da filiada da ABAD no DF (Sindicato do Comércio Atacadista do DF (Sindiatacadista/DF), Lysipo Gomide, é fundamental criar condições de simplificação do sistema tributário, tornando-o mais justo e garantindo mais segurança jurídica.

“Sofremos aqui no DF uma concorrência desleal, relacionada ao ICMS, sobretudo aos percentuais praticados nas regiões Sul e Sudeste, onde se paga 7%, enquanto nós pagamos, em média, 18%. Por conta disso, os regimes especiais de ICMS são tão relevantes para o nosso setor. O objetivo é equalizar a nossa carga tributária em relação à dos concorrentes externos”, afirma, lembrando que a Reforma Tributária precisa passar, necessariamente, por este ponto: alíquota do ICMS interno x alíquota do ICMS interestadual.

Gomide entende, ainda, que as reformas estruturantes para a retomada do crescimento do país estão demasiadamente atrasadas, mas não poderiam vir em melhor hora, já que o setor produtivo sobrevive estrangulado pela crise instaurada pela pandemia da Covid-19.

Fontes: UOL Economia e Agência Câmara de Notícias e Assessoria de Comunicação do Sindiatacadista

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos da doença na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Acesse:

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos do Covid-19 na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Clique na animação para vizualizar:

POLÍTICA DE Privacidade: Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.