Digitalização para potencializar os negócios foi tema de painel

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Em um mundo norteado por diferentes ferramentas para apoiar o processo de digitalização, é difícil priorizar e estabelecer o que é melhor para o negócio.  Pensando nisso, o Comitê Canal Indireto apresentou no segundo dia da 41ª Convenção Anual do Canal Indireto – ABAD 2022 ATIBAIA, dia 7 de junho, o tema “A digitalização potencializado os Negócios” com a participação de representantes da indústria e do setor atacadista e distribuidor.

Os modelos adotados pelas indústrias Unilever, Pepsico e Cargill Foods, do lado da indústria, e pelos grupos Martins, DecMinas e Vila Nova, do lado do setor atacadista e distribuidor, foram selecionados a partir de experiência relatadas no Comitê do Canal Indireto da ABAD, que reúne periodicamente os dois lados da cadeia de abastecimento para debater temas relevantes para a melhoria dos negócios. Coordenado pelo professor Nelson Barrizzelli, da FIA/USP, e pelo consultor da Integration, Roger Saltiel, que também foram mediadores do painel, o painel trouxe o modelo de organização digital das empresas a partir da visão da “mandala”, que identifica como a operação digital pode ser feita e quais departamentos devem ser integrados.

Tomando como base o eixo central, a mandala divide-se em três campos: operacional (com viés para gestão logística e arquitetura de dados), comercial (trade & execução do ponto de vendas, gestão da equipe comercial e canais de vendas) e administrativo (compreende as subdivisões de gestão financeira, treinamentos e processos administrativos).

No caso do Vila Nova, que foi representando pelo diretor comercial, Alexandre Vilas Boas, a automação de pedidos proporciona o acompanhamento do ciclo até a sua conclusão com a entrega da nota fiscal para o cliente. Permite inclusive a análise célere do cadastro do cliente e a liberação do crédito. Entre os benefícios citados estão o aumento do controle da operação e a identificação de ações e KPIs (indicadores-chave de desempenho), além da redução de custos – com a equipe e gestão logística.

Na Cargill Foods, o diretor geral Augusto Lemos ressaltou a experiência do grupo obtida com o portal mycargill: “Trata-se de um ambiente digital, onde os clientes, com senha e cadastro, vão navegar e tem uma relação direta com a Cargill. É como um grande túnel que tem cadastro de cliente, entrada e status do pedido, menu logístico e consultoria técnica. A grande diferença (desse sistema) é a possibilidade de obter repostas com rapidez.”

Já o Grupo Martins adotou um sistema de digitalização e utilização intensiva de dados com foco na transformação do papel do representante comercial autônomo/vendedor. Como resposta positiva, segundo Marco Antonio Tannus, diretor de Clientes & Trade Marketing. Ele aponta a melhoria do tíquete médio, aumento da base de clientes e a simplificação do atendimento como caminhos necessários. Segundo ele, o sistema digital permite, inclusive, o olhar atento e o cruzamento de informações sobre pedidos e até recomenda possíveis compras a partir das experiências registradas.

A Pepsico investe em um sistema de transformação digital para intensificar a agilidade, acuracidade (precisão) e produtividade com foco no programa de execução. O processo traz como ganhos a agilidade na leitura das lojas, expansão da base auditada, diagnóstico e plano de ação imediato e maior produtividade da equipe. Os três grandes passos citados para a implementação são: encontrar o fornecedor ideal para o desenvolvimento da ferramenta; investimento em equipamento/ tecnologia; e treinamento da equipe de vendas e de promotores.

André Marques, diretor comercial do canal indireto, explica que o sistema é destinado, sobretudo, ao pequeno varejo e que está em fase de teste no México e, em breve, também estará no Brasil. “É importante que na jornada de transformação do analógico para o digital se tenha um cuidado grande com a capacitação dos times, ponto fundamental para atingir as metas”, disse.

Já Euler Fuad Nejm, presidente do Grupo Super Nosso, apresentou como novidade a implantação do e-commerce (B&B) do DecMinas/DecBahia, braço com atuação no atacado distribuidor. A iniciativa é tomada a partir das experiências consideradas bem-sucedidas e obtidas em outras duas frentes de negócios: da rede de varejo e no atacado de autosserviço Apoio Mineiro. “Estamos no pré-lançamento. Primeiro será em Minas e, posteriormente, na Bahia. O cliente vai entrar no site e ter acesso inclusive às compras fracionadas.”

O case da Unilever, apresentado por Ricardo Zucollo, vice-presidente de Desenvolvimento de Clientes, tem como ponto de partida uma história iniciada em 2016 com o Compra Unilever e que vem passando por transformações. A nova versão compreende o DDU (Distribuidor Digital Unilever) em conjunto com o Digitaliza Agora, que implica na “evolução da jornada de digitalização completa do pequeno varejista”. “É importante ter dados para centros de análises da área da atuação e disponíveis para fazer o mapeamento, além de uma estrutura comercial dedicada”.

VEJA as fotos do evento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos da doença na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Acesse:

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos do Covid-19 na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Clique na animação para vizualizar:

POLÍTICA DE Privacidade: Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.