Mercados fechados podem gerar insegurança na população, avaliam representantes da cadeia de abastecimento

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Organizado pela ABAD, o webinar “Desafios da cadeia de abastecimento no atual cenário da pandemia”, realizado no dia 6 de abril, trouxe vários insights para quem se dispôs a acompanhar o debate com representantes da indústria, do atacado distribuidor e do comércio. Além do presidente da ABAD, Leonardo Miguel Severini, o evento virtual contou com a presença de: José César da Costa (presidente da Unecs e CNDL), Roberto Müssnich (CEO do Atacadão), Augusto Lemos (CEO da Cargill), André Felicíssimo (CEO da P&G) e de Alessandro Dessimoni (DBA Advogados). A mediação foi feita pela jornalista editora-chefe da Revista Distribuição, Claudia Rivoiro.

O objetivo do webinar foi debater como a cadeia de abastecimento está enfrentando o atual cenário da Covid-19, tendo em vista o recrudescimento da crise provocado pela pandemia, que já perdura mais de um ano.

O presidente Severini abriu o webinar expressando seu otimismo com a vacinação, reiterando que a essencialidade do atacado distribuidor é garantida por lei e que o setor o papel tem um papel fundamental para manter o abastecimento do varejo e garantir a segurança alimentar da população.

Apesar de uma segunda onda de Covid ter sido prevista já no ano passado, Severini avalia que o planejamento realizado não foi suficiente para fazer frente à atual situação. “No ano passado fizemos previsões de como se comportaria a cadeia de abastecimento, mas muitos não foram capazes de antecipar a situação que vivemos agora.”

Roberto Müssnich lembra que o Atacadão está em 5.500 municípios do Brasil e sofre na pele as dificuldades — e o custo — de procurar cumprir tantas legislações conflitantes pelo país. Müssnich frisou também a questão da essencialidade do setor. Ao mencionar as restrições de funcionamento das lojas em vários estados, lembrou que mercados fechados atingem uma necessidade humana básica e promovem uma sensação geral de insegurança. “As autoridades precisariam entender que estamos todos no mesmo barco”, conclui.

José Cesar, que representa a UNECS, lembrou que o segmento de bares e restaurantes, bem como o pequeno e micro empresário do varejo não alimentar, “foi amplamente afetado”.  Também lamentou o despreparo da classe política para lidar com a crise.

Felicíssimo destaca o momento único que vivemos e a “necessidade de estarmos abertos a aprender e de sermos protagonistas para garantir que a economia cresça como queremos”.

Augusto Lemos avalia que o momento é de grande transformação e desafios, que pedem muitos ajustes e adaptações. Ao mesmo tempo, pede muita resiliência. “Não é uma corrida de cem metros, mas uma maratona”. Frisou também a necessidade de olhar em profundidade a relação com o mercado, os atacadistas distribuidores e o consumidor.

Aspectos jurídicos

Ao abordar as questões jurídicas, Dessimoni destacou que foram editadas cerca de dez mil leis durante a pandemia, nas esferas federal, estadual e municipal. Em sua visão, “somada à falta de planejamento e de orientação segura, essa avalanche de leis, logo no início da pandemia, causou uma situação dramática” para as empresas que têm atuação em diversos estados e precisavam adequar-se às exigências díspares.

Por outro lado, o advogado lembrou também de ações positivas como medidas trabalhistas, as deduções previdenciárias para pequenas e médias empresas, diferimento de tributos, desonerações, suspensão de prazos etc.

“Mas nesta segunda onda da pandemia”, ponderou, “os desafios da cadeia de abastecimento devem ser maiores”. Ele mencionou também a atual demora para a tomada de decisões importantes para evitar a paralisação da cadeia de abastecimento, o aumento de alguns tributos e a redução no valor do auxílio emergencial, que deve impactar o consumo.

Citou ainda o esforço jurídico para impedir o progresso de projetos de lei contrários ao bom funcionamento da iniciativa privada como o que buscava retirar a essencialidade do varejo.

Assista aqui à íntegra do webinar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos da doença na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Acesse:

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos do Covid-19 na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Clique na animação para vizualizar:

POLÍTICA DE Privacidade: Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.