Setor atacadista defende a ampliação de lotes no Polo Logístico do DF

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Em abril deste ano, foi publicado, no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), o edital de manifestação de interesse para a concessão e exploração do Polo Logístico do DF. A ação é positiva, pois movimenta a economia local. Entretanto, o Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal (Sindiatacadista/DF) chama atenção para o tamanho dos lotes oferecidos na região.

“Temos a disponibilidade de 500 m² para a instalação das empresas. Contudo, os empreendimentos atacadistas de médio porte para cima precisam de áreas construídas superiores a dois mil metros quadrados. Para isso, é fundamental que os lotes tenham, pelo menos, três a quatro mil metros quadrados”, explica Anderson Nunes, diretor executivo da entidade.

O debate traz à tona a reinvindicação do setor, que foi realizada em 2002, para transformar Brasília em um dos maiores polos distribuidores do Centro-Oeste. Na época, era solicitada a criação do Polo Atacadista e, além disso, pedia-se a priorização dos produtos locais nas compras do GDF. No ano seguinte, houve a liberação da área e as obras tinham previsão para iniciar em 2004.

O assunto estagnou nos anos seguintes e apenas em 2012 voltou a ser debatido pelo Governo do Distrito Federal. Na época, havia sido lançado o projeto Brasília 2060 para planejar o desenvolvimento econômico e estratégico da capital para os próximos 50 anos. Entre as iniciativas levantadas, o Polo Logístico – antes, conhecido como Polo Atacadista – entrou em cena mais uma vez.

Com aproximadamente 200 hectares de extensão, os lotes iam de 1.000 até 30.000 m², o que era positivo para implementar as empresas de atacado. Com a mudança da definição do tamanho do lote, em 2021, o Sindiatacadista/DF se preocupa com a operacionalidade do local, visto que o tamanho do lote, de 500 m², é insuficiente para os empresários do segmento.

“Precisamos de áreas de manobra e garagem para os veículos. É preciso levar em consideração essas variantes, que determinam a funcionalidade de uma empresa atacadista. A região é estratégica, pois o Polo Logístico ficará na BR-060, eixo de ligação entre Brasília, Anápolis e Goiânia. Precisamos adequar o lote de acordo com as necessidades do nosso setor”, informa Anderson.

*Com informações da assessoria de Comunicação do Sindiatacadista/DF.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos da doença na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Acesse:

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos do Covid-19 na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Clique na animação para vizualizar:

POLÍTICA DE Privacidade: Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.