Alta das vendas em supermercados fica aquém das previsões

Para a Abras, o ano de 2018 frustrou as expectativas em razão de eventos inesperados, como a greve dos caminhoneiros no primeiro semestre

O setor de supermercados registrou crescimento de 2,07% nas vendas em 2018, conforme divulgou a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O resultado considera as vendas em termos reais, já descontada a inflação do período.

O desempenho do ano ficou aquém da expectativa do setor, que era de crescimento real de 2,53%. Essa projeção já havia sido revisada para baixo em julho do ano passado. Em janeiro, a expectativa era de crescimento de 3%

A Abras considerou que o ano de 2018 frustrou as expectativas em razão de eventos inesperados, como a greve dos caminhoneiros no primeiro semestre. A entidade considerou ainda que as incertezas durante o período eleitoral afetaram a confiança dos consumidores.

Para 2019, no entanto, a Abras traça uma perspectiva otimista. A projeção da entidade é de crescimento real de 3% nas vendas ante 2018. A Abras destaca que a melhoria pode ser impulsionada por medidas econômicas que a entidade espera que sejam promovidas pelo governo, tais como simplificação tributária e controle de gastos.

No mês de dezembro, o crescimento real de vendas foi de 3,93% na comparação com igual período de 2017. Já ante novembro, a alta foi de 21,13%.

COPOM – Na primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do ano, com todas as mudanças políticas e econômicas ainda em andamento, o Banco Central (BC) manteve, mais uma vez, a Selic em 6,5%. A taxa está nesse patamar desde o fim do ciclo de quedas, em março de 2018.

INFLAÇÃO – A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acelerou para 0,32% em janeiro em relação a dezembro (0,15%), de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O IPCA acumulado em 12 meses, por sua vez, passou de 3,75% em dezembro para 3,78% em janeiro. Para este indicador, a expectativa média dos analistas era de alta para 3,83%.

EMPREGO – A percepção de desemprego mostrou em janeiro a mais forte queda em um ano. É o que mostrou a Fundação Getulio Vargas (FGV), que divulgou dois indicadores relacionados ao mercado de trabalho, com sinais de melhora na abertura de vagas. O Índice Coincidente de Desemprego (ICD) caiu 4,4 pontos entre dezembro do ano passado e janeiro deste ano, para 99,3 pontos. Foi a mais forte queda desde dezembro de 2017 (-7,1 pontos). Ao mesmo tempo, o Índice Antecedente de Emprego (IAEmp) avançou 4,1 pontos no mesmo período, para 101,1 pontos, o maior patamar desde abril de 2018 (103,6 pontos).

CONFIANÇA – Indicador Ifo/FGV de Clima Econômico (ICE) da América Latina — elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) — avançou pelo segundo trimestre consecutivo ao passar de 10,7 pontos negativos para 9,1 pontos negativos entre outubro de 2018 e janeiro de 2019, embora se mantenha na zona desfavorável. A melhora foi influenciada pela alta do Indicador das Expectativas (IE), que passou de 21,6 pontos para 25 pontos no mesmo período.

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.