IBC-Br sugere PIB positivo no 3º trimestre

Em agosto, a indústria surpreendeu positivamente, com alta de 0,8% em relação a julho, mas varejo e serviços decepcionaram

A atividade permaneceu estagnada em agosto, com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em alta de apenas 0,07% em relação a julho, com ajuste sazonal. Mesmo fraco, o número confirmou que o desempenho do Produto Interno Bruto deverá ser positivo no terceiro trimestre. E a perspectiva dos economistas é de que a atividade tenha ganhado ritmo em setembro, entrando em 2020 em aceleração.

O pequeno avanço do IBC-Br em agosto veio após queda de 0,07% em julho (dado revisado de queda de 0,16% divulgada anteriormente). Em relação a agosto de 2018, o indicador recuou 0,73%. Com isso, o índice acumula alta de 0,66% no ano e de 0,87% em 12 meses.

No mês, a indústria surpreendeu positivamente, com alta de 0,8% em relação a julho com ajuste sazonal, mas varejo e serviços decepcionaram, com estabilidade no conceito ampliado e queda de 0,2%, respectivamente.

PIB – A economia brasileira cresceu 0,9% entre julho e agosto, na série dessazonalizada do Monitor do PIB, calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV). No trimestre móvel de junho a agosto, o crescimento foi de 0,6% em comparação ao período de março a maio. Na comparação interanual, a economia cresceu 0,2% em agosto e teve queda de 0,3% nos três meses encerrados em agosto. O desempenho mensal foi influenciado pelo desempenho da agropecuária e da indústria que apresentaram crescimento de 1,7% e 1,1%, respectivamente, pelos cálculos da FGV. O resultado da indústria deve-se, principalmente, à extrativa e à eletricidade, que cresceram mais do que 4% em agosto.

CRÉDITO – A busca das empresas por crédito cresceu 6,2% em agosto/2019 na comparação com o mesmo mês do ano anterior, conforme mostra o Indicador Serasa Experian de Demanda das Empresas por Crédito. O aumento anual foi puxado pelo acréscimo de 31,9% por parte das médias empresas, seguida pelas grandes corporações que procuraram 29,7% a mais do que em agosto/2018. Nas micro e pequenas empresas, a alta entre um ano e outro foi de 5,5%.

INADIMPLÊNCIA – Segundo o Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, em setembro de 2019 foram realizadas 94 requisições de recuperações judiciais, um crescimento de 4,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Apesar disso, houve queda de 33,8% frente ao apurado em agosto/19. Já o acumulado de janeiro a setembro deste ano foi de 1.030 recuperações judiciais requeridas, um recuo de 3,9% no comparativo com o mesmo período de 2018, quando ocorreram 1.072 pedidos.

INDICADOR ANTECEDENTE – O Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE) para o Brasil subiu 0,3% em setembro, para 117,7 pontos, informa o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), que publica o indicador em parceria com The Conference Board (TCB). A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou positiva, em 0,9%. Das oito séries componentes, seis contribuíram positivamente para a evolução do índice no mês, com as maiores contribuições sendo dadas pelo Índice de Quantum de Exportação e pelo Índice de Expectativas do setor de Serviços.

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.