Varejo desacelera, mas ainda cresce em ano conturbado

Em setembro, o comércio restrito caiu 1,3%. Mas em 12 meses até setembro acumula alta de 2,3%

As vendas do varejo vieram bem menores que o esperado, tanto no conceito restrito quanto no ampliado, o que mais uma vez prova o caráter oscilante da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do IBGE. Em setembro, o comércio restrito caiu 1,3%, ante uma expectativa de queda de apenas 0,2%, enquanto o ampliado recuou 1,5% para uma aposta de recuo de 0,5%.

Em setembro, o varejo devolveu uma parte da forte alta registrada em agosto na comparação com julho, de 2% no restrito e de 4,2% no ampliado, variações que, por sua vez, também surpreenderam ao ficar bem acima do esperado.

Analistas têm destacado nos últimos tempos a dificuldade adicional de prever as oscilações da atividade num ano conturbado como o de 2018, em que a perspectiva positiva dos primeiros meses foi reduzida diante de um cenário externo mais difícil e das incertezas do período eleitoral.

A greve dos caminhoneiros em maio embaralhou ainda mais as previsões para a economia. Olhando numa perspectiva mais longa, o comércio em seu conceito ampliado mostra perda de força desde abril, quando acumulou alta de 7%. Agora em setembro, o crescimento desacelerou para 5,8%. O restrito, que alcançou seu ponto mais alto em março, com alta de 3,8%, cedeu a 2,8% nos 12 meses até setembro.

Apesar dos percalços, o comércio, salvo um quarto trimestre muito ruim, deve ir melhor que em 2017, ano que teve o benefício da liberação dos bilhões das contas inativas do FGTS. Em 12 meses até setembro de 2017, o restrito acumulava queda de 0,7% e o ampliado recuava 0,1%. No ano até setembro, as altas eram de 1,3% e 2,7% em 2017. Em 2018, as variações são mais altas de janeiro a setembro: 2,3% e 5,2%. respectivamente.

Há um ganho inegável no setor. Mas a recuperação, de qualquer forma, tem sido mais lenta que o esperado e o fraco crescimento da massa salarial — dado por uma criação de empregos ainda calcada majoritariamente no mercado informal —, certamente é um obstáculo para números mais animadores no comércio.

INADIMPLÊNCIA – O volume de consumidores brasileiros com contas em atraso e registrados em lista de devedores voltou a crescer em outubro e acelerou frente o mês anterior. De acordo com dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), a quantidade de inadimplentes cresceu 4,22% no mês de outubro na comparação com igual mês do ano passado. Em setembro deste ano, frente a 2017, a alta havia sido de 3,86%. Em números absolutos, estima-se que 62,89 milhões de brasileiros estejam com o CPF restrito para fazer compras a prazo ou contratar crédito. O aumento da inadimplência foi puxado, principalmente, pela região Sudeste, cuja alta observada em outubro foi de 13,30%. Nas demais regiões, as altas foram menos intensas como 5,31% no Norte; 4,11% no Sul; 3,91% no Nordeste e 1,61% no Centro-Oeste.

INFLAÇÃO – O aumento dos combustíveis e a alta dos preços dos alimentos foram os principais responsáveis pelo avanço de 0,45% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em outubro, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa ficou abaixo daquela apurada em setembro, mas foi a maior para o mês desde 2015. Responsável por um quatro dos gastos das famílias brasileiras, a inflação do grupo de alimentação e bebidas foi de 0,59%, acelerando na comparação com os 0,10% do mês anterior. Dessa forma, contribuiu com 0,15 ponto percentual para o IPCA de outubro.

ENDIVIDAMENTO – A parcela de renda familiar comprometida com dívidas mostrou em outubro menor patamar em cinco meses. A pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostrou estabilidade na fatia de famílias que se declararam endividadas entre setembro e outubro, em 60,7%, e abaixo do observado em outubro do ano passado (61,8%). Já o percentual da renda domiciliar voltado para quitação de débitos diminuiu de 29,6% para 29,5% no mesmo período, também inferior ao de outubro do ano passado (30,8%) – além de ser o menor desde maio deste ano (29,3%). Na prática, as famílias estão com maior cautela em tomar novos empréstimos, devido ao já elevado patamar de endividamento; e a ausência de sinais mais robustos de recuperação no mercado de trabalho, avaliou Marianne Hanson, economista da CNC.

EMPREGO – O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), calculado pela Fundação Getulio Vargas, (FGV) recuou 0,2 ponto em outubro, para 90,8 pontos. Esse é o oitavo mês consecutivo de queda do indicador, que retorna ao patamar de dezembro de 2016 (90 pontos). Três dos sete indicadores que compõem o IAEmp contribuíram positivamente para o aumento do índice, com destaque para o indicador que mede o emprego local futuro da Sondagem do Consumidor, que aumentou 8,1 pontos entre setembro e outubro. “O IAEmp teve mais um recuo, mostrando a continuação do processo de ajuste de expectativas. O recuo do IAEmp mostra a reversão do otimismo quanto ao dinamismo da atividade econômica que teve desempenho abaixo do esperado em 2018. Além disso, ainda existe a incerteza quanto ao crescimento em 2019. ”, afirma Fernando de Holanda Barbosa Filho, economista da FGV, em comentário no relatório.

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.