Lei garante funcionamento do atacado distribuidor

  • Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A distribuição de alimentos, bebidas, limpeza, higiene e cuidados pessoais é considerada atividade essencial para a economia, de acordo com a Lei 7.783/1989 (CLIQUE para ver a íntegra). Portanto, não está sujeita a eventuais restrições impostas pelas autoridades estaduais e municipais devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O governo federal reforçou a lei com um decreto publicado na sexta-feira, 20 de março, incluindo a distribuição também como serviço essencial (CLIQUE para ver a íntegra).

“Reiteramos que é fundamental garantir o abastecimento do pequeno e médio varejo, cumprindo a função social e econômica do nosso setor que é atender mais de 1 milhão de pontos de venda em todos os 5.570 municípios do país, gerando 5 milhões de empregos diretos e indiretos”, afirma o presidente da ABAD, Emerson Destro, em comunicado enviado ao setor.

O varejo de vizinhança é um importante canal de compras para o consumidor em razão da proximidade e praticidade, características que se tornam ainda mais relevantes neste momento em que boa parte da população é orientada a reduzir a circulação pela cidade.

Para exercer com segurança a atividade é necessário adotar as boas práticas de higienização para evitar o contágio do vírus. Em comunicado anterior, a ABAD recomendou uma série de medidas preventivas (CLIQUE para ver), incluindo o afastamento de pessoas que fazem parte do grupo de risco.

Mercado

Na semana passada, a ABAD também se posicionou perante ao mercado sobre a questão do abastecimento. O presidente Emerson Destro afirmou que o setor atacadista e distribuidor segue funcionando normalmente até o momento. “Enquanto a indústria fornecedora mantiver a normalidade na operação, o desabastecimento não deve acontecer. O comportamento da indústria nos países também atingidos pela epidemia reforça nosso prognóstico. De qualquer maneira, a recomendação é de calma e racionalidade”, concluiu. CLIQUE AQUI para ler o comunicado na íntegra.

  • Tags

Uma resposta

  1. A medida expressa e lógica dentro das regras de abastecimento normal.
    O Pais não pode parar, as Empresas necessitam de manter o fluxo, a atividade técnica e produtiva, uma parada total representa uma ENORME CATÁSTROFE, FINANCEIRA E MORAL.
    A partir do momento em que o CIDADÃO DE BEM, começar a sentir os efeitos das faltas na sua geladeira, no seu estoque de alimentos, o choro dos filhos com fome, o EFEITO MANADA, CORRIDA EM BUSCA DE ALIMENTOS VAI FICAR INCONTROLÁVEL.
    ESSE É O PRINCIPAL MOTIVO DA NÃO PARALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ECONOMICAS/FINANCEIRA/PRODUTIVA.
    O STF/SENADO/CAMARA DOS DEPUTADOS DEVEM TORCER PARA QUE ESSA MEDIDA DE CERTO, PORQUE SEU CUSTO, DE ATUAÇÃO SERÁ MUITO COBRADA PELA GRANDE MASSA DE ELEITORES QUE VOTARAM NO ATUAL PRESIDENTE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 I ABAD - Todos os direitos reservados.