Agenda ESG ganha espaço na Convenção ABAD

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Em tempos de valorização de ações sociais, humanitárias e de boas práticas sustentáveis, a 41ª Convenção Anual da ABAD – ABAD 2022 ATIBAIA abordou o tema “Agenda ESG: revolução nos negócios e na sociedade”. O painel apresentou iniciativas das empresas Boomera, de capital nacional e focada em economia circular; da P&G e ainda destacou um estudo inédito, realizado com cerca de 2 mil colaboradores do canal indireto, que avaliam as ações das companhias no trato com o capital humano, social, ambiental e financeiro do atacado distribuidor.

Luiz Marcatti, do Mesa Corporate Governance e mediador do painel, explicou que a demanda por ESG veio “para ficar e gerar valor”. “Surgiu, em 2019, a partir da carta de um grande empresário, Larry Fink, para os CEO’s das operações do fundo Blackrock, com diretrizes apontando onde e como devem direcionar os investimentos com busca de resultados alinhados a uma estratégia de longo prazo e avaliando os impactos que a empresa causa ao meio ambiente e na sociedade. Não se trata apenas de ganhar dinheiro, mas sim de que forma isso é feito e mostrar resultado do que é construído ao seu redor.”

Luiz Turmina, vice-presidente da ABAD, comentou o levantamento realizado em parceria com a Economics of Mutuality Solutions – EoM, com patrocínio da indústria de bens de consumo MARS, e apresentado, em vídeo legendado, no início do painel. A pesquisa traz o olhar dos dos colaboradores do setor para as ações das empresas. “O estudo mostra que 78% dos respondentes não eram gerentes, o que se traduz em um retrato de empresas do nosso setor e que aponta bons insights e boas oportunidades”, observa.

Turmina ressaltou que a pesquisa aponta a percepção dos funcionários e, nem sempre, ressalta a realidade do setor, especialmente considerando que somente 30% enxergam ações sustentáveis adotadas pela companhia. “De nada adianta a companhia ser sustentável se não divulga e engaja os colaboradores nas iniciativas.” LEIA a reportagem nesta edição cm mais detalhes do estudo.

Guilherme Brammer, CEO da Boomera, abriu a apresentação criticando desperdícios observados na economia linear, baseado em ciclo de vida curto de produtos e de pouco uso. “Precisamos repensar a forma do fazer, de inventar novas práticas. Se o mercado financeiro começa a pensar onde vai investir o dinheiro já leva as empresas a repensar a forma de fazer negócios”.

A empresa investe na economia circular, com a transformação de resíduos em novos produtos. O conceito é desenhar produtos e sistemas de modelos de negócios que se autoalimenta. E que somente extrai recursos não-renováveis da natureza quando é necessário. A Boomera tem parceria com empresas, oferecendo soluções de reciclagem, logística, engajamentos, palestras etc. Hoje tem mais de 400 clientes trabalhando no desenvolvimento de projetos e produtos. Entre os quais está o projeto com a ABAD, de ponto de entrega voluntário no varejo. O material coletado é enviado e gera renda para cooperativa de catadores.

Luana Borges, da P&G, explicou o trabalho desenvolvido pela empresa com foco em três pontos: impacto na comunidade, igualdade e inclusão e sustentabilidade ambiental. Ela propôs uma ação que envolve funcionários, marcas, parceiros e comunidade. Entre as ações destacadas está a de Always, exemplo emblemático, que trabalha com propósito do fim da pobreza menstrual. “Tem meninas que não vão a aula porque não tem absorvente”. Em parceria com os clientes, a indústria já fez a doação de 1,8 milhões de absorventes.

Flavio Vinte também falou do Crie o Impossível, um programa criado por ele, de cunho social, de estimulo a educação e capacitação para jovens de escola pública.  Aproveitou o momento para ressaltar a importância de considerar que açõed voltada para o ESG geram valor e podem reverter em bom resultado financeiro e de marketing.

VEJA as fotos do evento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos da doença na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Acesse:

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos do Covid-19 na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Clique na animação para vizualizar:

POLÍTICA DE Privacidade: Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência de navegação.