Empresas obtêm liminares contra recolhimento de diferença do ICMS-ST

  • Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Empresas varejistas do ramo de materiais de construção, da região Sul do país, obtiveram na justiça liminares para o não pagamento da diferença do ICMS-ST recolhido a menor.

São as primeiras ações sobre o tema que se tem conhecimento e com decisões favoráveis aos contribuintes. Como se sabe, no regime de substituição tributária, uma empresa da própria cadeia é o responsável pelo recolhimento do imposto relativo às demais operações até o consumidor final. Neste caso, o cálculo é realizado a partir de uma margem presumida, estabelecida pelos estados. Quando o valor realmente pago pelo consumidor é maior do que aquele calculado pelo contribuinte, há uma diferença, que os estados agora passaram a cobrar.

Muitos Estados já começaram a cobrar dos contribuintes a diferença dos valores. E espera-se que essa cobrança provoque bastante impacto, haja vista que muitos setores e produtos são afetados pela substituição tributária.

A decisão dessa cobrança do contribuinte parte, em princípio, de uma decisão do Supremo Tribunal Federal, que decidiu, no fim de 2016, que o contribuinte deve ser ressarcido do ICMS-ST pago a maior.

Para isto, bastaria o contribuinte comprovar que a base de cálculo presumida do imposto foi superior ao preço final praticado. A cobrança das Fazendas estaduais, parte do princípio contrário a esta decisão. Ora, se a base de cálculo presumida foi maior que o preço final e deve ressarcir o contribuinte, o governo também pode cobrar esta diferença, no caso de cálculo a menor.

A estimativa de ressarcimento aos contribuintes, só no estado de São Paulo, é de cerca de R$ 5 bilhões, segundo dados da própria Secretaria da Fazenda. É um grande impacto aos cofres públicos, razão pela qual motivou os estados a cobrarem as diferenças.

Os juízes dos referidos casos (Rio Grande do Sul e Santa Catarina), entenderam, num primeiro momento, que o legislador estadual supostamente criou “hipótese de tributação não contemplada na lei complementar que trata do ICMS, Lei Kandir.” (processo nº 9000323-23.2019.8.21.0001)

Estes são os primeiros casos envolvendo a matéria, sendo que não foram localizadas ações judiciais envolvendo este assunto no Estado de São Paulo. Contudo, as decisões, ainda que liminares, possuem fortes argumentos que poderão ser aceitos nos tribunais e cortes superiores.

 Outras informações sobre este tema podem ser obtidas com a DBA – Dessimoni e Blanco Advogados, assessoria jurídica da ABAD, pelo e-mail juridico@abad.com.br ou pelo telefone (11) 3071-0930.

  • Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Junte-se a nós! Conheça todas as vantagens de ser um associado ABAD

Contato

Endereço
Av. Nove de Julho, nº 3.147 – 9º andar 
São Paulo – SP | CEP: 01407-000

Horário:
Seg – Sex: 8:30h – 17:30h

Telefone
(11) 3056-7500

Newsletter

© 2020 I ABAD - Todos os direitos reservados.

Play Video

Protocolo de Funcionamento

A ABAD preparou um protocolo formal para ajudar o setor atacadista e distribuidor a implementar as medidas de prevenção para evitar possíveis impactos do Covid-19 na empresa, nos funcionários e colaboradores e nas relações jurídicas. Clique na animação para vizualizar: