TST julga legal o monitoramento por câmeras no trabalho

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Em 28 de Agosto de 2020, o TST (Tribunal Superior do Trabalho) SEPRT (Secretaria Especial de Previdência e Trabalho) decidiu que câmeras no ambiente de trabalho em locais coletivos é lícito e não gera dano moral coletivo.

A decisão foi a reforma de um caso originário distribuído pelo Ministério Público do Trabalho, que postulou junto ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4/RS), a condenação da empresa em dano moral coletivo pelo monitoramento por câmeras.

No processo 21162-51.2015.5.04.0014, o TST por meio do voto da relatora, Ministra Dora Maria da Costa, ressaltou que o monitoramento é possível e lícito, vez que se insere no poder fiscalizatório do empregador, contudo não pode haver abusos.

Assim, a fim de esclarecer, a fiscalização dos empregados por intermédio de Câmeras em locais coletivos não será considerada ilícita, desde que seja realizada sem qualquer individualização dos empregados, respeitando os banheiros, vestiários, locais de repouso e descartada a possibilidade de câmeras espiãs.

Outras informações sobre este tema podem ser obtidas com a DBA – Dessimoni e Blanco Advogados, assessoria jurídica da ABAD, pelo e-mail juridico@abad.com.br ou pelo telefone (11) 3071-0930.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *